sexta-feira, 25 de março de 2011

Se Jesus Cristo Levantasse a Cabeça... O que Aconteceria?

quarta-feira, 16 de março de 2011

Tão Loge e Tão Perto - Almir Maciel [Casa das Armas]

sábado, 12 de março de 2011

Mais de Perto



Se você chorou por alguém que nunca deu nenhum indício de amor por você, se você já passou uma noite em claro vendo fotos de outras pessoas no orkut, se você já sentiu tanta raiva ao ponto de não se reconhecer, se você já gastou suas horas com pessoas que realmente não são interessantes, se você já usou roupas que não usaria outra vez nem morto, se você já gastou seu dinheiro com uma coisa absurdamente inútil, se você já mentiu, traiu, feriu pessoas que você ama, se você já fofocou, entregou segredos que eram preciosos e humilhou alguém só pra se sentir um pouquinho melhor, se você já foi preconceituoso, se você já falou sem sentir, sorriu sem querer sorrir, foi querendo já voltar, escolheu por empolgação ou fraqueza, se você já fez coisas que não condizem com você, com o que você pensa, com o que você quer…
… então por que você insiste em achar estranho o fato de algumas pessoas falarem com Deus, e encontrarem exatamente nisso a cura para todos esses males?
Se fechamos os olhos para tantas sensações, porque não para vermos Deus mais de perto, mais de perto, mais de perto, mais de perto até ver que é dentro de nós que ele mora?

sábado, 5 de março de 2011

A Reforma da Reforma


Navegando por aí encontrei este texto que pessoalmente considero uma excelente demonstração de consciência e  uma inteligente explanação sobre a verdadeira essência não só do cristianismo, mas de qualquer boa filosofia de vida que se prese (no mínimo reflete sobre o que as pessoas atualmente deveriam se questionar):
Conta-se que certa vez Martinho Lutero, criador da religião Luterana, pai espiritual da Reforma Protestante, sonhara. Achava-se nos umbrais* dos tabernáculos eternos. Interrogou então, sofregamente, o anjo ali de guarda:
- Estão aí os protestantes?
- Não, aqui não se encontra um protestante, sequer.
- Que me dizes?! Os protestantes não alcançaram a salvação mediante o sangue de Cristo?!
- Já lhe disse e repito: não há aqui protestantes.
- Então – tornou, espantado, o sistematizador da Reforma – será que aqui estejam os católicos-romanos, os membros daquela Igreja que abjurei?
- Tampouco conhecemos aqui os filhos dessa Igreja; não existem aqui católicos romanos.
- Estarão, quem sabe, os partidários de Maomé ou de Buda?
- Não estão, nem uns nem outros.
Intrigado, insistiu Lutero:
- Dar-se-á, acaso, que o Céu se encontre desabitado?!
- Tal não acontece – tornou serenamente o anjo – Incontáveis são os habitantes da casa do Pai, ocupando todas as suas múltiplas moradas.
- Dize-me, então, depressa: quem são os que se salvam, e a que igreja pertenciam na Terra?
- A todas e a nenhuma – aclarou por fim o guardião da entrada das Celestes Moradas. – Aqui não se cogita de denominações, nem de dogmas. Os que se salvam são os que visitam as viúvas e os órfãos em suas aflições, guardando-se isentos da corrupção do século. Os que se salvam são os que procuram aperfeiçoar-se, corrigindo-se dos seus defeitos, renascendo todos os dias para uma vida melhor. Os que se redimem são os que amam o próximo e renunciam ao mundo, com suas fascinações. São os que porfiam, transitando pelo caminho estreito, juncado de espinhos: o caminho do dever. Os que se purificam são os que obedecem à voz da consciência, e não aos reclamos do interesse. Os que conquistam a Divina Graça são os que trabalham pela causa da Justiça e da Verdade, que é a Causa Universal e não pelo engrandecimento de causas regionais, de determinadas agremiações com títulos e rótulos religiosos; os que aspiram à glória de Deus, ao bem comum, a felicidade coletiva. Os que se salvam…
- Basta! – atalhou Lutero. Já compreendo tudo: preciso voltar à Terra e introduzir certa reforma na Reforma!…
* Umbral – Do latim UMBRA = Sombra. No Espiritismo é a zona obscura localizada em torno do Planeta. Neste caso, foi usado para designar às portas do Céu, pois no espanhol umbral é igual a “soleira da porta”.
Fonte: “Nas Pegadas do Mestre” – Vinícius Pedro de Camargo – Edição FEB
Pense sobre isso.
Edição: 15 minutos depois de postar, fui informado que a história e a filosofia ai empregadas são de autoria kardecista. Veja só como são as coisas… me chamem de “O cristão kardecista” agora.. :P pois acho inspiradora essa história…

quinta-feira, 3 de março de 2011

Precisamos de Equilíbrio



Uma questão que constantemente tem me preocupado é a tendência da grande maioria das pessoas de aliar-se a uma ideologia extremada sobre algum tema.
Chamo de ideologia extremada, qualquer sistema de interpretação da realidade que se apóie em fundamentos que aqui apelidarei de “fundamentos egoístas” por terem a característica marcante de desconsiderarem qualquer outro tipo de raciocínio, que não os próprios de sua ideologia, em seu processo de formação.
Ao que me parece, o homem sempre anseia por bases sólidas que garantam tranquilidade (se não espiritual, ao menos racional) à sua consciência. E, na busca por essas bases, tende a assimilar e aceitar, de forma quase que completamente passiva, a teoria de mundo com a qual mais se identifica.
E o que ocorre quando, finalmente, o homem encontra e sedimenta bem essas bases? Duas consequências mais imediatas são: minimiza-se muito na pessoa aquela inquietação que havia por não possuir ainda nenhum referencial sólido que organizasse e norteasse o seu pensamento, o que é algo muito positivo, na verdade essencial para que o ser humano desenvolva plenamente a sua personalidade e “se encontre”; porém, pensando nessa característica positiva tão essencial para a “sobrevivência mental” do indivíduo, qual a primeira reação psicológica, a primeira ferramenta mental que busca a mente utilizar em seu constante processo de aprendizagem e aperfeiçoamento?
Visto que o processo de aprendizado da mente se dá através de um constante jogo de “tentativa e erro”, no qual os comportamentos, idéias e atitudes que mais obtém êxito são conservados, e os demais descartados, por uma questão de eficiência (ex.: não há necessidade de se tentar realizar uma atividade nova utilizando-se como base a mão esquerda, se a mão direita já detém muito mais prática e coordenação motora em atividades similares, por isso tendemos ao longo de nossas vidas a aprender cada vez mais novas tarefas com a mesma mão, por uma questão de praticidade e “economia mental”), a conseqüência disso tudo para a assimilação da nova e firme base que se constrói no indivíduo é que a mente, ao perceber a eficácia desta ideologia tende a preservá-la, num processo similar àquele de utilizar sempre aquilo que melhor funciona.
Porém, como uma ideologia representa não só uma idéia, mas um sistema completo de idéias, “preservar”, neste caso, significa conservar um conjunto inteiro de idéias e rejeitar todos os outros conjuntos de idéias (ideologias) em bloco. Ou seja, sem submeter mais ao processo de tentativa e erro as demais idéias existentes fora de sua nova ideologia, o cérebro humano inicia um processo deletério em massa de tudo aquilo que não se encaixe perfeitamente na ideologia. Resumindo: como, ao submeter e eleger uma ideologia, a mente não estava selecionando apenas uma nova idéia, mas um parâmetro, este parâmetro passa a integrar o próprio processo de seleção ao qual foi submetido e, a partir de então, a submeter as novas idéias aos seus próprios princípios.
É neste instante que, acredito eu, a mente comete um equívoco grave, do ponto de vista racional. Ao integrar uma ideologia ao seu próprio funcionamento, a mente elimina o principal elemento que permitiu o seu desenvolvimento até então: a inoquidade do raciocínio, ou seja, a estrita lógica como seu único referencial (não que alguma mente tenha a capacidade de possuir essas características de forma absoluta, pois apenas as possuirá em proximidade).
Digo isto porque percebo que infelizmente o apego demasiado a qualquer ideologia sacrifica o bom raciocínio e sua lógica. Isto porque, sem que se perceba, o antes trabalho mental de se testar as idéias, converte-se em um esforço mental empreendido na intenção de preservação da ideologia. Porque a mente, em seu constante objetivo de sobrevivência, passa a eleger como prioridade a proteção do atual e bem sucedido sistema de idéias para que não caia novamente no estado de inquietação e falta de referencial que lhe é tão prejudicial. Fazendo isso, porém, deixa de vislumbrar com visão ampla e aberta o infindável mundo de teorias diversas existente.
Percebo que as pessoas que passam a se apegar demais a uma única ideologia, categoricamente desconsiderando as demais, tendem a utilizar, no ataque a idéias opostas, argumentos que jamais configuram um sistema completo de antítese, e sim uma reunião de detalhes pontuais que é para elas suficiente para a negação de toda a ideologia oposta (OBS: e geralmente baseados na própria lógica que propõe a ideologia). Isso ocorre porque raramente realizam o seguinte auto-questionamento: “Se sou apenas um ser humano de capacidade limitada, em um universo aparentemente infinito, e nunca terei acesso a um entendimento completo e irrefutável da realidade. Partindo do princípio de que ambas as ideologias tem chances iguais de estarem corretas. Conhecendo a fundo ambas, e confrontando-as. Em que pontos divergem e como submeter as divergências ao julgo do raciocínio lógico não só de uma, mas de ambas, bem como ao do raciocínio lógico imparcial?”.
Percebe-se que é uma pergunta extensa, profunda, e cuja reposta não caberia sequer em um único livro. Isto porque não se trata realmente de uma pergunta, mas de um olhar racional e amplo, um comportamento a ser adotado diante das múltiplas versões da realidade que se apresentam e que, acredito, deveria ser assumido por todo aquele que se presta à árdua tarefa de buscar uma concepção da realidade.
Falando desse modo pareço estar fazendo uma clássica defesa do racionalismo científico contra os dogmas e fundamentos baseados na fé, das religiões. Mas creia, passa muito distante disso! É na verdade algo que, a grosso modo, consigo melhor definir como “Ideologia do Equilíbrio”. Ideologia pois trata-se também de um critério de análise de idéias, mas que se pretende não à exclusão mas à ponderação de idéias das várias ideologias. É portanto uma ideologia que não intenciona eliminar outras, mas sim “acoplar-se” a qualquer uma, com a intenção de somar em nossos filtros mentais um critério a mais: o “Equilíbrio”.
Por que digo “equilíbrio” ao invés de “imparcialidade”? Porque é simplesmente impossível ao ser humano ser completamente imparcial. Portanto, se desejamos alcançar um desenvolvimento intelectual tanto espiritual quanto racional em nossas vidas como indivíduos e como sociedade, precisamos aliar em nosso procedimento os dois elementos que compõem e impulsionam o pensamento humano: a Racionalidade e a Paixão (ou fé, no caso espiritual).
Para finalizar concluo: Sofremos (o que é natural) de uma profunda crise de extremos, não só no milenar (e em minha opinião desajeitado, mal pensado e desnecessário) confronto Ciência versus Religião, mas dentro das próprias ciências e das religiões, onde todas as ideologias se pretendem totalizantes e excludentes de todo e qualquer conhecimento diverso. Isso é resultado de um longo processo histórico de radicalismos e cujas divergências ideológicas foram imperativamente resolvidas na base da competição e violência, o que não cabe agora descrever. Ainda estamos em um período de transição para uma sociedade mais fundamentada no livre diálogo e comparação de idéias, mas, infelizmente, nossas ideologias ainda guardam grandes resíduos do modelo anterior. Não podemos raciocinar em um mundo globalizado e “democrático”, com as mesmas idéias e comportamentos que se aplicavam em épocas modernas e medievais. Possuímos hoje todo o potencial de desenvolvimento intelectual que poderíamos querer. A única coisa que nos impede de evoluir é nosso radicalismo, ou a falta de “bom senso”.