segunda-feira, 27 de abril de 2009

Meus deuses não tinham olhos...

Desde criança conheço Deus. Um fator que só agora percebo é que Deus não mudou. Você pensa, "ora, claro que Deus não mudou. Que novidade!". É verdade que não mudou e nem mudará. Mas, por que conhecemos tantos Deuses diferentes?

Onde quero chegar com isso? De lá para cá, conheci Deus em suas mais variadas facetas. Bem no início, assim que tomei consciência própria, mesmo que muito novo ainda, me apresentaram um Deus grande, forte, poderoso, que está lá em cima, no Céu, sentado em seu trono, olhando para toda a humanidade com atenção e rigidez. Ficava imaginando um senhor de longos cabelos brancos, barba cheia, vestes reais e usando uma sandália deixando à mostra seus pés viris. 
Não conseguia imaginar seus olhos. Só sabia que estes fitavam a Terra como um menino que procura no formigueiro aquela que será seu próximo objeto de experiências macabras - já fiz muito isso e pensava ser assim que Deus também agia em sua superioridade.

Esse era o Deus da minha tenra idade. Creio que foi o Deus da maioria de nós. Aliás, parece que este é o Deus ainda de muitos adultos. Um Ser forte, altivo, vigilante, perscrutador e imponente. Que está acima de nós, lá no Céu, distante e alienado à nossa realidade. Nada mais.

Cresci um pouco e outro Deus surgiu. Não muito diferente do anterior, mas, um pouco mais requintado, teológico, examinado e definido. Era o Deus Criador, Senhor do Universo, das Galáxias, das estrelas... era o Deus do infinito. Era um Ser sem começo e sem fim e que era um só, mas que também eram três personalidades distintas. Putz! A mente dá um nó... Três em Um? Um em Três? Na dúvida, lembro que sempre rezava para cada um deles para não deixar um ou outro enciumado. E para não perder o favor de nenhum deles, é claro! Esse Deus soava mais esclarecido, mais religioso, mais metódico e, ao mesmo tempo, mais complicado. 
E também não conseguia imaginar os seus olhos.

Em um outro momento de minha vida conheci um Deus auto-indulgente. Esse Deus era mais velhaco, barganhador. Minha sensação era de que lidar com ele seria mais fácil e previsível. Afinal, um relacionamento baseado na troca de favores é mais seguro. Sabemos que se nos empenharmos em agradar, seremos agradados em resposta. Foi o período da minha vida onde esmerava-me por seguir à risca os preceitos litúrgicos da igreja. Procurava a santidade exterior e procurava ser um religiosos exemplar. Em troca disso tinha a esperança de ter todas as minhas orações (petições) respondidas. Desde a conversão de minha mãe ao desejo de possuir. Confesso que esse Deus me decepcionou muito por não cumprir com sua parte no relacionamento. 
Também não conseguia imaginar seus olhos, apenas conseguia conjeturar suas intenções.

Meu penúltimo Deus já contrariava um pouco os anteriores. Cheguei a pensar que encontrara e conhecera o verdadeiro e definitivo Deus. Um Deus emotivo, que gostava de ser bajulado com palavras afetivas. Ele fazia com que sentíssemos Sua presença em manifestações inusitadas. Um Deus barulhento. Um Deus que parecia prezar por intimidade. E essa intimidade era medida em arrepios, glossolalias, extases e frenesis religiosos. 
Embora não conseguisse imaginar seus olhos, conseguia imaginar sua voz.

Todos esses Deuses agradam uns e desagradam outros. Todos têm suas preferências e inclinações. Mas, conheci um Deus que não tem tanta popularidade quanto os outros. Esse Deus carrega algumas características dos outros que conheci. Não são todas, só algumas mais nobres. Esse Deus não tem a multidão de fãs que os outros conseguem aglomerar. Aliás, são poucos que engolem esse último Deus que tenho conhecido. Uma grande característica dele é que não depende da religião. Alías, é totalmente separável dela. Esse Deus bebe com os amigos, ouve música, canta e dança, conta boas piadas, não se abstém de tocar as pessoas. Ele não tem nojo de ninguém. Ele não despreza nem o mais vil ser humano. Chega a ser irritante sua inclinação pelos párias e pela escória. Nem a pessoa mais bondosa e livre de preconceitos consegue assemelhar-se com a aceitação desse Deus. Esse Deus embora próximo e verdadeiramente íntimo, exige um certo desatino para que o sigam.

Tenho me amarrado nesse Deus. Consigo imaginá-lo rindo, chorando, irado, dormindo, cantando, dançando, ensinando, brincando, exortando, criando, bebendo, comendo, abraçando e... em tudo isso 
consigo imaginar seu olhar. Posso parar e fitá-lo horas a fio. Gosto Dele porque parece que nele eu sou algo muito melhor do que fui um dia. Na verdade, eu tenho procurado o amar com toda minha alma, com toda minha força e com todo meu entendimento. Esse Deus, meus caros, sofre com o impropério de ser xará destes outros que conheci. E muitas vezes é julgado ou mal interpretado como sendo os outros.

Quando você olha dentro do olho de uma pessoa parece que está mergulhando em seu ser. Se esta permitir-lhe encará-la por muito tempo pescrutando sua alma, você perceberá que seus olhos denunciam se há verdade nela ou se existe apenas mentira e falsidade.

Os outros Deuses não tinham olhos. Este Deus, que agora amo, tem olhos para que eu possa mergulhar.

Um comentário:

† Soldier of God † disse...

Caraa...o melhor que texto que já...

Juro!!

Fiquei pasma com a "verdade" que há neste texto, e como me identifiquei com ele!!

Tive muitos 'deuses' tbm, até conhecer esse último Deus que vc descreveu!!

Maravilhosoo!!

=D